terça-feira, maio 27, 2014

Universal Love — a collective life story

Música!


ou
aqui
http://bfachada.bandcamp.com/album/o-fim



LOLCATS : que significa a literacia na era digital?


Muito, mesmo muito bom conteúdo do Stephen Downes (2009).
Para ouvir (audio) e ler mais, procurem no seu sítio web, aqui:

Lecture presentation delivered to Educational Computing Organization of Ontario, Richmond Hill, Ontario.
The internet has introduced us to a world in which we can communicate with each other in a wide variety of media. Where formally we could only talk and sing to each other, now we can create videos, author animations, link to videos and images and cartoons, and more, mix and match these in a complex open-ended vocabulary. What it means to be literate in such an information age is fundamentally distinct from the literacy of the 3Rs, and teaching new literacy an evolving challenge for those of us still struggling to learn it. This talk looks at the elements of 21st century literacies, redefines critical thinking for the internet age, and suggests a redefinition of what we think of as 'core' curriculum.
 Continua (2ª parte)... aqui

November 24, 2009
Lecture presentation delivered to ECI 381 (Alec Couros), Online to Saskatchewan via Elluminate.
Reprise of my talk from last week, in more detail and some new slides. The internet has introduced us to a world in which we can communicate with each other in a wide variety of media. Where formally we could only talk and sing to each other, now we can create videos, author animations, link to videos and images and cartoons, and more, mix and match these in a complex open-ended vocabulary. What it means to be literate in such an information age is fundamentally distinct from the literacy of the 3Rs, and teaching new literacy an evolving challenge for those of us still struggling to learn it. This talk looks at the elements of 21st century literacies, redefines critical thinking for the internet age, and suggests a redefinition of what we think of as 'core' curriculum. Elluminate session recording (with video) at http://eci831.wikispaces.com/11-24-09

1954 professores

Uma longa luta, um passo importante para 1954 professores contratados, precários com anos de trabalho, alguns com 18, 20 anos de serviço instável. Vão poder finalmente entrar nos quadros.

Foi hoje, 23 de maio, publicado o Decreto-Lei 83-A/2014, sobre os concursos de colocação dos docentes. Este diploma altera o anterior, o Decreto-Lei 132/2012 de 27 de junho, e republica-o com as alterações. Para aceder ao diploma descarregue o ficheiro anexo
A FENPROF emitiu nota à comunicação social em que considera ilegítima e ilegal a publicação deste decreto.


www.spgl.pt/Media/Default/Info/8000/700/0/8/DL83-A2014 CONCURSOS.pdf

domingo, maio 25, 2014

Por uma escola mais modesta e sem muros


Olhe bem para a escola que você conhece. Ela vai desaparecer.
E não é algo para um futuro distante. Os educadores atuais serão responsáveis por esse processo de transição. É o que acredita António Nóvoa, doutor em ciências da educação pela Universidade de Genebra e doutor em história pela Universidade de Paris. Durante sua palestra na Educar Educador, que teve como tema “A construção coletiva do projeto educativo na escola” ele afirmou que “debaixo dos nossos olhos e perante uma certa indiferença da nossa parte, estão acontecendo três revoluções”. 
Segundo ele, a primeira delas é a revolução na aprendizagem, que será impulsionada pela tecnologia. “Não se trata de transformar a revolução digital em uma coisa mágica, que vai resolver todos os nossos problemas. É uma mudança histórica de grande significado. Ela está mudando a nossa maneira de sentir, o nosso modo de viver e nossa maneira de aprender”, explicou.De acordo com Nóvoa, a tecnologia tem potencial para colocar nas mãos dos professores as ferramentas com as quais ele tem sonhado nos últimos anos. “A ironia é que nós pedagogos e educadores humanistas, que sempre fomos céticos em relação a tecnologia, vemos que ela pode finalmente colocar em nossas mãos as ferramentas necessárias parar concretizar o nosso ideário pedagógico”, afirma ele, referindo-se a questões como a individualização do ensino, diferenciação pedagógica e autonomia dos educandos, entre outras. 
A segunda revolução está relacionada à sala de aula. A mudança nos ambientes de aprendizagem está transformando a estrutura da escola e acentuando as dinâmicas de interação, de partilha e de construção coletiva de um projeto educativo. Segundo ele, o modelo atualmente utilizado na grande maioria das salas de aula, com professor que transmite para os alunos a informação em uma via de mão única foi criado em 1867 e não atende mais as nossas necessidades. “Nunca pensamos a escola como um espaço integrado, ele está mais para uma soma de salas de aula”, destaca.Em sua opinião, veremos nos próximos anos uma multiplicação de espaços de compartilhamento do conhecimento, com professores trabalhando em conjunto para produzir um projeto escolar muito diferente atual. 
Finalmente, a terceira revolução está relacionada ao que ele chamou de cidade educadora. “Chegou o tempo de pensar a educação para além da escola, de compreender todas as dimensões educativas que existem na cidade, na sociedade”, explica. 
De acordo com o palestrante, quando o modelo atual de instituição de ensino foi criado, as escolas eram pequenos prédios no meio do nada, com pouca gente nas cidades.“A escola vivia num deserto cultural e dominado o conhecimento. Hoje, a paisagem dos nossos países mudou muito. Mas a escola continua a trabalhar como se não fizesse parte de um conjunto imenso de possibilidades educativas”, explica. “Precisamos de uma escola mais modesta, que entenda que as cidades têm um potencial educativo imenso”. Segundo ele, a escola como um prédio está com os dias contados. “Teremos uma instituição que vai além da dimensão física”, completa.

Humanitas

sábado, maio 24, 2014

De pé (saudação a Antero) - José Mário Branco ao vivo em 1997

Troika, go home | We are not dead



In 2013 the one thousand Portuguese multimillionaires increase their income in 7,5 billion euros. At the same time 25% of the population are considered to live in poverty. The unemployment rate exceed 17% and if you only consider the youth unemployment rate then it has been consistent over 40%.With the National Budget agreements that you reached, we are paying unafordable taxes, that are directly distributed to speculators stakeholders through PPP contracts’, interests and financial charges over the national debt and failed banks (e.g. corresponded to 48,60% of 2013 Budget). You forced the country to decrease production and to sell profitable and strategic companies, people to work more for (even) less money, the state to fail in providing healthcare, justice and education as established by the Constitution. You made old people live the worst period of their lives. I’m happy if this lines make you fill uncomfortable.   We are not dead. You are not welcome.
Tiago Mota Saraiva, Portugal, 24.05.2014 
Troika, go home | iOnline

Humanitas


Rir junto é melhor que falar a mesma língua. 

Ou talvez o riso seja uma língua anterior que fomos perdendo à medida que o mundo foi deixando de ser nosso.

Educação, Serviço Público: Conferência Gulbenkian, 23 maio 2014



Ver aqui  http://livestre.am/4RsUP

Uma Conferência Gulbenkian, em linguagem que as pessoas entendem, parte de uma cadência mensal de debates iniciada em maio de 2013. A partir do minuto 14:00, Eduardo Marçal Grilo (FCGulbenkian); seguido de Paulo Santiago (OCDE). Vale a pena ouvir e ficar a pensar sobre Educação. No longo e no curto prazo. Com e sem crises, e sobretudo para lá do império da crise presente.

Profissionalismo dos docentes, autonomia, não dependência de exames, mudança nas universidades, família e suas circunstâncias (Canotilho - 1:47:00) e outras ideias por cá "non gratas" a sectores ocupantes dos poderes transitórios. 

Debate do maior relevo, num momento em que tanto nos roubam o tempo para pensar. Fora das escolas, e dentro das escolas, a robotização parece a utopia triunfante. PARAR para pensar é alimentar o arsenal necessário ao combate à desumanização e ao acriticismo. E ao esmagamento do quotidiano que faz com que haja poucos menores de 55 anos na assistência a estas conferências. Valham-nos o video-stream e as redes sociais. A tecnologia pode e deve estar ao serviço do pensamento e da acção humana.

Afinal, citando Marçal Grilo: "O futuro depende de nós."

Sim e Não


Dizer Não


Diz NÃO à liberdade que te oferecem, se ela é só a liberdade dos que ta querem oferecer. Porque a liberdade que é tua não passa pelo decreto arbitrário dos outros.
Diz NÃO à ordem das ruas, se ela é só a ordem do terror. Porque ela tem de nascer de ti, da paz da tua consciência, e não há ordem mais perfeita do que a ordem dos cemitérios.
Diz NÃO à cultura com que queiram promover-te, se a cultura for apenas um prolongamento da polícia. Porque a cultura não tem que ver com a ordem policial mas com a inteira liberdade de ti, não é um modo de se descer mas de se subir, não é um luxo de «elitismo», mas um modo de seres humano em toda a tua plenitude.
Diz NÃO até ao pão com que pretendem alimentar-te, se tiveres de pagá-lo com a renúncia de ti mesmo. Porque não há uma só forma de to negarem negando-to, mas infligindo-te como preço a tua humilhação.
Diz NÃO à justiça com que queiram redimir-te, se ela é apenas um modo de se redimir o redentor. Porque ela não passa nunca por um código, antes de passar pela certeza do que tu sabes ser justo.
Diz NÃO à verdade que te pregam, se ela é a mentira com que te ilude o pregador. Porque a verdade tem a face do Sol e não há noite nenhuma que prevaleça enfim contra ela.
Diz NÃO à unidade que te impõem, se ela é apenas essa imposição. Porque a unidade é apenas a necessidade irreprimível de nos reconhecermos irmãos.
Diz NÃO a todo o partido que te queiram pregar, se ele é apenas a promoção de uma ordem de rebanho. Porque sermos todos irmãos não é ordenarmo-nos em gado sob o comando de um pastor.
Diz NÃO ao ódio e à violência com que te queiram legitimar uma luta fratricida. Porque a justiça há-de nascer de uma consciência iluminada para a verdade e o amor, e o que se semeia no ódio é ódio até ao fim e só dá frutos de sangue.
Diz NÃO mesmo à igualdade, se ela é apenas um modo de te nivelarem pelo mais baixo e não pelo mais alto que existe também em ti. Porque ser igual na miséria e em toda a espécie de degradação não é ser promovido a homem mas despromovido a animal.
E é do NÃO ao que te limita e degrada que tu hás-de construir o SIM da tua dignidade.




quinta-feira, maio 22, 2014

Viva a imprensa livre. Viva a Democracia. Viva a Antena Um





Em Portugal, foi até hoje o único órgão de comunicação social a fazê-lo. Campanha eleitoral em curso. Votos dia 25, num papelinho com 16 concorrentes ao Parlamento Europeu (2014-2018).

Registe-se

quarta-feira, maio 14, 2014

Mariana Avelãs: “Promoveres o não voto é uma forma de o governo se perpetuar” | Esquerda



E neste momento as pessoas que estão a sair daqui não vão voltar. Uma coisa que me faz muita impressão é eu já ter visto, mais do que uma vez, aquela coisa dos velórios à Irlandesa. No século XIX, quando as pessoas saiam da Irlanda para a América não iam voltar. Então faziam-lhes um velório antes da partida. Neste momento tens netos e pais a despedirem-se dos filhos a saberem que a probabilidade de não os voltarem a ver é imensa. Porque são velhotes. Porque vão para muito longe. Porque não vão conseguir voltar. E a única maneira que eu acho que tenho de fazer com que a geração das minhas filhas não tenham que emigrar, é unir-me à geração da minha mãe...


É a isso que se chama “fazer algo de extraordinário”?



Sim! Não aceitar discutir nada do ponto de vista geracional, nem a emigração, nem a maternidade, nem o trabalho, nada. Cada euro que estão a roubar na pensão da minha avó é um tiro que estão a dar às minhas filhas, e cada contrato de trabalho que eu não tenho rouba as netas aos meus pais, que deram o litro para tudo aquilo que elas têm: desde a liberdade à escola e à maternidade onde as pari.

A melhor escola de arquitetura do mundo? (Chile)



Para formar profesionales capaces de oficiar, innovar y operar, Román ideó un programa dividido en 10 semestres en el que cada alumno debía realizar (construir) 10 proyectos. Se trata de saber diseñar y de saber construir. La idea es que el diseño dependa de los pocos medios disponibles. Por lo tanto, llegan primero las posibilidades y luego se planifican las ambiciones. Cuatro talleres (Materia, Cuerpo, Obra y Titulación) organizan los estudios. Con la titulación uno no solo puede firmar un proyecto, los alumnos terminan sabiendo ya construir. Y con la capacidad de ver, en los desechos, materiales constructivos.
¿La mejor escuela de arquitectura del mundo? >> Del tirador a la ciudad >> Blogs EL PAÍS

segunda-feira, maio 12, 2014

Pensar a escola pública é reabilitar vínculo crítico fundamental entre teoria e prática - Carta Maior



Pensar a escola pública é reabilitar vínculo crítico fundamental entre teoria e prática - Carta Maior

'Lo que no te cuentan del capitalismo' | Economía | elmundo.es



6. "Asume lo peor de la gente y obtendrás lo peor". Chang dispara contra la esencia egoísta del capitalismo, "la avaricia del carnicero y del panadero" a los que apelaba Adam Smith. "El capitalismo ha cambiado mucho desde entonces. No podemos ignorar que el ser humano responde a otras motivaciones, más allá del exclusivo interés propio. La explotación infantil era moneda corriente hace poco más de un siglo, y las elites se oponían férreamente a que los Gobiernos regularan el mercado laboral y acabaran con las jornadas de 15 horas diarias. El capitalismo se ha hecho más participativo y cooperativo: ustedes tienen el ejemplo cercano de Mondragón. Pero el sistema tiene que abrirse aún más, para dar cabida al 'ciudadano económico'".

'Lo que no te cuentan del capitalismo' | Economía | elmundo.es

Mais que certo, se a gente não se distrair / a fazê-los vir (outros tempos)

José Afonso - "Paz,poeta e pombas" do disco LP "Venham mais Cinco" (1973)

segunda-feira, maio 05, 2014

La familia asume la principal responsabilidad educativa sobre los hijos e hijas >> Ayuda al Estudiante >> Blogs EL PAÍS



En los hogares finlandeses los niños observan cómo sus padres y sus madres son ávidos lectores de periódicos y libros. Es más, casi el 80% de las familias acuden con ellos frecuentemente a las bibliotecas de todo tipo.
La familia asume la principal responsabilidad educativa sobre los hijos e hijas >> Ayuda al Estudiante >> Blogs EL PAÍS

"A Cantiga Era uma Arma" (2014)

Publicado em 29/04/2014
Pré-genérico do meu documentário "A Cantiga Era uma Arma", acerca dos músicos e das músicas do 25 de Abril e do PREC, que estreia na RTP2 a 6 de maio de 2014, assinalando os 40 anos do concerto que reuniu no Palácio de Cristal (Porto), pela primeira vez, os cantores que permaneciam em Portugal ao tempo da ditadura com aqueles que estavam no exílio. (Joaquim Vieira)

Minha mãe

quinta-feira, maio 01, 2014

Primeiro de Maio

João Abel Manta, 1974

Associação Binaural é a vencedora do Prémio Miguel Portas


O vencedor da primeira edição do Prémio Miguel Portas foi a Binaural – Associação Cultural de Nodar (São Pedro do Sul). A decisão do júri, tomada por unanimidade, foi anunciada esta quarta-feira na Livraria Ler Devagar, na Lx Factory, em Lisboa, numa sala que foi pequena para o enorme público presente – muita gente não conseguiu entrar.


Associação Binaural é a vencedora do Prémio Miguel Portas | Esquerda

Premiada 2014:

Binaural



Menções Honrosas

Buala

Noor