sexta-feira, março 29, 2019

O Noivado do Sepulcro



Cantar poesia, tomar palavras como suas pela música do coração tremente.

Soares dos Passos, poeta ultra-romântico falecido em 1860, vive em Vimioso e para sempre pelo registo da Memoriamedia.

Hoje, as tragédias do Correio da Manhã não se decoram nem cantam. Passarão.

Ler o poema aqui

Coda

Coda

Quando o ser da luz for
o ser da palavra,
no seu centro arder
e subir com a chama
(ou baixar à água),
então estarei em casa.

Eugénio de Andrade
Contra a Obscuridade. Porto : Afrontamento, 1992 

Wook.pt - Contra a Obscuridade

quinta-feira, março 21, 2019

Dia Mundial da Poesia


Poema " A invenção do amor" (1972), de Daniel Filipe,  transcrito parcialmente aqui http://cvc.instituto-camoes.pt/poemasemana/25/danifilipe.html


2019: Fabrizio Graglia, que trabalha na Associação Esmabama, da Beira, em Moçambique, via Marta Lança (Facebook)

"Caros amigos,

Hoje (segunda-feira, 18 de Março) consegui fazer a viagem de Beira para Nampula e depois para a Maputo para poder aceder à Internet e poder actualizar-vos sobre os últimos acontecimentos que atingiram a província de Sofala. Um ciclone devastador (Idai) massacrou Sofala na noite de quinta-feira, 14 de março. Desde aquele dia ficámos sem energia elétrica, comunicações telefónicas, combustível, comida, água potável, estradas, ATM’s e os bancos mantêm-se fechados. Este ciclone deixou para trás um rasto de morte e destruição como não há memória no país. As escolas, nosso escritório, os hospitais que permaneceram em pé tornaram-se o refúgio de centenas de famílias que perderam tudo. O telhado do hospital central da Beira caiu e 5 recém-nascidos da enfermaria de neonatologia morreram, mais 160 pessoas morreram naquelas instalações devido principalmente à falta de energia que mantinha as máquinas hospitalares e à queda parcial da estrutura. Não há postes de luz em pé, as árvores tombadas bloqueiam as ruas, nenhuma loja ou mercado está operacional. Só comemos laranjas e abacates durante 3 dias e racionalizamos a água potável.

O vento era tão forte que arrancou os motores de ares condicionados atirando-os para os telhados circunvizinhos. Lendo as ultimas notícias online, verifico agora que o vento chegou a 230km / h naquela noite. Nenhuma janela ou porta resistiu à fúria da água do mar, areia, pedras e tudo o que encontrou no caminho. As chapas arrancadas aos telhados eram como punhais que entravam dentro das casas. Nossas casas tornaram-se piscinas e protegemo-nos com colchões para não sermos atingidos por objetos e vidros estilhaçados das janelas. A casa que arrendei nos últimos 5 anos localizada em frente à praia na Ponta Gea caiu por terra como um baralho de cartas restando apenas a parte traseira da mesma. Vários animais de pequeno porte literalmente voaram ficando pendurados em árvores ou a apodrecer nos telhados e escombros. Tudo isso durou das 20horas até às 4h da manhã. A última hora foi a mais perigosa, o vento diminuiu por alguns minutos e depois atacou com mais força, destruindo as últimas casas que sobreviveram às horas anteriores.
No dia seguinte, pedi a dois de nossos marinheiros que fossem à missão de Barada para obter algumas informações, mas o mar e o vento não permitiram a navegação. Então eu pedi a um de nossos motoristas para tomar a rota terrestre, mas depois de 40 km ele teve que voltar para a cidade porque a estrada tinha sido engolida e em seu lugar havia um lago com crocodilos e pessoas presas nas árvores.
Pessoas que caminharam durante dois dias até à Beira disseram-me que aldeias inteiras com casas e pessoas desapareceram. O Presidente da República de Moçambique anunciou que neste momento os distritos de: Buzi (Barada e Estaquinha), Chibabava (Mangunde) e Marromeu estão completamente isolados. E segundo ele expressou com preocupação esperam-se centenas de mortes e doenças subsequentes, dado que também pelo que é observável pelas fotografias aéreas que começam a circular, dezenas de corpos flutuam nos rios Buzi e Pungue.
Na cidade à noite, grupos de pessoas andam a vaguear, ninguém sabe se cortam árvores ou cortam pessoas, pois os números de criminalidade violenta aumentaram consideravelmente, tendo-se registado vários ataques a pessoas e assaltos às casas danificadas e abertas.
Enquanto isso, após 4 dias, tenho informações apenas parciais acerca das missões.
Machanga: a missão não tem mais telhados e os nossos alunos internos dormem sob as árvores e perdemos completamente a criação de porcos.
Estaquinha: Eu só tenho informações sobre o campo agrícola. Perdemos mais de 100 toneladas de milho (alimento por 4 meses em nossos internatos), todas as máquinas agrícolas estão submersas. Um investimento de 200.000 euros engolidos pela água. Não tenho informações sobre a missão.
Mangunde: Parte da escola, internato e centro de saúde estão sem teto. As comunidades circunvizinhas estão completamente inundadas.
Nossa missão na praia- Barada: Ainda não tenho novidades e infelizmente temo o pior.
Nosso novo escritório da Beira está quase destruído e policiais armados, guardas e os nossos três cães ficam de guarda dia e noite.
Alguns dos nossos funcionários e estudantes foram feridos, mas até agora ainda não tivemos notícias de mortes entre os nossos.
Continua a chover torrencialmente e prevê-se que se mantenha assim nos próximos dias e os rios continuam a aumentar seu nível de alerta. Os países vizinhos que estão também a ser afetados por chuvas torrenciais irão seguramente abrir as comportas das suas barragens para evitar a sua danificação, pelo que se espera ainda mais cheias na região de Sofala.
Estou consternado e destroçado com este cenário dantesco e com o pânico nos rostos de quem agora teme pela vida e dos seus. Precisamos de ajuda urgente."
Fabrizio Graglia
Associação Moçambicana Esmabama - Sofala

domingo, março 10, 2019

...não me custa ter amores deixá-los é que me mata

Por decreto? Não, por gente mesmo

 Resultado de imagem para por decreto
"Hoje, somos informados que Jesus também foi fazer retiro, um longo retiro, conduzido pelo Espírito de Deus. Estava perante a concretização do seu projecto de vida. Que fazer? Como fazer? Um dia publicará o manifesto das suas opções radicais em favor dos atirados para a margem da história [5].
O Diabo, a figura de tudo e todos os que se opunham a este projecto libertador, propõe-lhe uma alternativa exaltante: usa os teus recursos divinos para resolver, por decreto, os problemas da fome, da dependência política, exibindo um miraculoso espectáculo religioso. Deixa-te de lirismo e convence-te que o caminho é o do poder de dominação económica, política e religiosa.
Jesus, a todas essas propostas, disse um não absoluto, definitivo.
Sabemos demasiado as consequências das vezes que, na Igreja, se esqueceram as opções do Mestre.
Agora, parece-me ridículo, quando o Papa Francisco insiste, contra tempos e marés, na renovação da Igreja ao serviço da transformação do mundo na pátria da alegria, se exija que ele faça um milagre de transformar a Igreja e a sociedade, por decreto, dispensando o empenhamento de todas as pessoas de boa vontade."
Frei Bento Domingues, Público, 2019.03.10 

 [5] Lc 4, 16-30

sábado, março 02, 2019

Lourense H. Das


Not "for" us, never against us, always with us.
If I had a flag for Lourense, I'll paint hese words on it.
In every language, even those that are now lost, specially those who are being invented.

Sometimes we feel closed doors all around. And there is a special kind of human beings that are precious: those who helped us to open windows, start a new path, find a solution, a better way.
Lourense H. Das knew how to do it, and really did it.

All over the world, and also with so many Portuguese, walking with us for education, reading, democracy, fraternity. Long before 2015, and also after, always with kindness, bravery and sharp ideas.
Two years ago, she came once again to Portugal and remind us what networking is really about - open windows, not shutting doors. Wisdom and human connections, communication, love, and not technologicaç devices. Critical thinking, humanity and freedom, not darkness and selfishness.
It is hard to me to write about Lourense, and I wish I could be with her family today. She would way to me there is many ways to be with those we love.
As usual, she would be wright. As usual, she would be part of this new, shining day.
Oh, how we do miss her!


The celebration of Lourense’s life will be held on Saturday, March 2nd between 1.30 PM and 4.30 PM at Crematorium Weerterland, Ringselvenweg 2, Weert. [the Netherlands]Please share your memories of Lourense and messages to her family on the funeral home webpage here: https://www.uitvaart-vangansewinkel.nl/site/aggeloo_condoleance.html On Lourense's condolences page, you will see the space for "Uw naam" = "Your Name"You can "Add a photo or image to this memory" in the space "Uw herinnering verrijken met een foto of afbeelding" (the grey button "selecteer afbeelding" means "select file to upload")"Uw bericht" = "your message" - please remember to add your country so Lourense's family knows how far her influence has spread!When you are finished, click "Uw bericht plaatsen" to "post your message"