Pesquisar neste blogue

A carregar...

quarta-feira, novembro 16, 2016

Interessa-me a mistura

A ideia de uma identidade que está completa, formada, não me interessa nada. Interessa-me esta ideia que vem da cosmogonia indígena e que tem uma potência política: o outro não é aquele que nos enfraquece, é aquele que nos fortalece. O movimento de curiosidade dos indígenas em relação ao outro, que é o movimento básico da antropofagia, é o movimento de reconhecer no outro uma força. E isto tem, para mim, uma potência política, hoje, e faz parte da própria ideia de criação. 


Alexandra Lucas Coelho: “Interessa-me a mistura” - PÚBLICO

"Imagine" de John Lennon, versão UNICEF, em Língua Gestual Portuguesa (LGP)


Mesmo na Era Trump, persistiremos :)

sábado, novembro 12, 2016

Nenhuma partilha de saber é pequena demais

Na biblioteca / Manuel António Pina

Na biblioteca


O que não pode ser dito
guarda um silêncio
feito de primeiras palavras
diante do poema, que chega sempre demasiadamente tarde,

quando já a incerteza
e o medo se consomem
em metros alexandrinos.
Na biblioteca, em cada livro,

em cada página sobre si
recolhida, às horas mortas em que
a casa se recolheu também
virada para o lado de dentro,

as palavras dormem talvez,
sílaba a sílaba,
o sono cego que dormiram as coisas
antes da chegada dos deuses.

Aí, onde não alcançam nem o poeta
nem a leitura,
o poema está só.
E, incapaz de suportar sozinho a vida, canta.

Manuel António Pina
Sugestão que a Andante ofereceu em Janeiro de 2007, com  leitura em voz alta pela Cristina. Vejam e oiçam aqui:



porosidade etérea: Sugestão da Andante para esta semana

Election 2016: Exit Polls - The New York Times







Estatísticas muito interessantes. Para ler melhor o mundo.

Election 2016: Exit Polls - The New York Times

quarta-feira, novembro 02, 2016

Língua portuguesa, línguas portuguesas



Cançom 'Aló Irmao' do projeto musical Aló Irmao, 

do galego Narf e o guineense Manecas Costa.

Ouvida em Portugal, pelo Youtube, essa nação forasteira sem nações

segunda-feira, outubro 31, 2016

Fim

Fim

Quando eu morrer batam em latas,
Rompam aos saltos e aos pinotes,


Façam estalar no ar chicotes,


Chamem palhaços e acrobatas!



Que o meu caixão vá sobre um burro
Ajaezado à andaluza...
A um morto nada se recusa,
Eu quero por força ir de burro.


Mário de Sá-Carneiro

A ouvir pelos Trovante, música de João Gil (1987):

https://youtu.be/IOsJqWYO3gc



Ainda podemos ver online o documentário do Pedro Seabra

O Estranho Caso de Mário de Sá-Carneiro



Imagem encontrada aqui, sem indicação de autor nem de créditos. Alvíssaras a quem ajudar a identificar.



Resultado de imagem para mário de sá-carneiro antónio